As 9 regras para um estilo casual

Falar do estilo casual é falar sobre o que talvez seja o estilo que mais de 70% do público masculino costuma seguir. Por quê? Porque, de todos eles, é o mais confortável. Não há que quebrar muito a cabeça para sair corrigido para a rua, pode ir do casual ao elegante e, se nos propomos, não vamos nos gastar muitos para obter um estilo cotidiano. É assim: mais alto, mas não mais claro.

Mas cuidado, uma coisa é ir casual e outra muito distinta escolher o estilo casual como o nosso particular saco em que tudo cabe. Que seja porque cotidiano não significa que sair para a rua com treino, ou ir a uma entrevista de trabalho na desportivas se justifique com um: Desculpe-me, mas eu é que visto de maneira casual. Porque além de pedantes, podem nos chamar de tolos.

>>>Veja Aqui também os Cortes de Cabelo masculino para 2016<<<

Então, aqui vão as 9 regras para não passar a barreira do casual e entrar no vulgar e ordinário.

  1. Como já vos disse, há certas peças que são proibidas: o fato, por exemplo, está para praticar esportes, andar pela casa, na intimidade de nossas 4 paredes e como muito sair para tomar um drinque depois de ir ao ginásio, mas o que é isso de ficar com os amigos em plano errado? Guardemos um pouco as lanchonetes, que para cada ocasião, temos um modelo…que não se diga.
  2. A regra de ouro, o estilo casual é um estilo variado, eclético e díspar, que não tem de traduzir-se monótono, brega e barato. Por graça ou por desgraça, ao ir corrente nos pode sair por um olho da cara. É claro que podemos comprar camisetas em Lefties por 80 reais ou de brim na Zara por 35 reais, mas sempre há que saber fazer um equilíbrio justo entre o preço e a qualidade. Que não nos achem nem nos tomem por zarrapastrosos.
  3. Acho engraçado os que se dizem do estilo Vintage. Um 60% das vezes é a desculpa perfeita para evitar uma sonora gargalhada ao ver-nos com as botas de mili ou aquela jaqueta que tínhamos no guarda-roupa desde que o mundo era mundo. Você pode ir com um estilo retrô e pode ser retro. A dia de hoje, em mercados como o traço podemos encontrar roupas de antigamente, em bom estado (tem que pesquisar, e muito) e a um preço razoável, mas não nos ponhamos a primeira coisa que pegamos e usamos, porque a questão é ir curiosos, não nos basta ter dinheiro pela rua quando nos vejam.
  4. A variedade é a chave. Isso quer dizer que as cores e as formas têm o seu lugar no guarda-roupa. Nem o rosa é uma cor de mulheres, nem o negro só serve para ocasiões formais. Há que ousar com tudo e todos que estão as cores. E digo o mesmo com os materiais. Não te peço que compre seda ou no xale, mas o veludo, jeans e o algodão não são variedades que podem chegar a ser.
  5. Sabei que saímos para a rua e, como tal, vamos ser vistos por muitas pessoas. Uma coisa é sair bem vestido e pouco importa o que pensa o resto e outra muito diferentes sair com camisetas do tipo: “Ontem bebi tanto que comi você” ou “Ontem me deitei com a sua mãe” engraçado, às vezes, pode se tornar palavrão e não temos necessidade de faltar com respeito com ninguém.
  6. Tênis não é o mesmo que esportivo. São coisas muito diferentes. Enquanto que há tênis que são três mil vezes mais elegante do que um sapato, e que pode perfeitamente servir para sair, mesmo em situações de etiqueta, sapatilhas, regra geral, são o que são. No meu caso, só salvo as Reebok brancas impolutas de tenistas e algumas outras Asics ou Pumas discretas mas as câmaras-de-ar deixamos para a quadra de basquete.
  7. E falando de chinelos, rompamos com o mito de que os tênis Converse são feitas para o homem moderno e urbano. Variemos um pouco rapaz, pois existem mais marcas além da Converse: Vans, Lacoste, Fred Perry, Etnies, Bape ou Geox são marcas que podemos encontrar em todos os lados e pode nos fornecer a variedade quanto ao calçado.
  8. As camisas não são apenas para os espertos. Há que dar-lhes uma, duas e até três oportunidades, se ainda não nos fizemos a elas. Tudo depende de com que a combinar. Calças de brim, camisa vendedora de linho ou de algodão e umas Fred Perry pode ser uma aposta muito interessante para um look de rua. Sem perder a informalidade, vamos feitos uns autênticos pincéis e sempre poderemos dizer: que Bonito? Pois eu tenho posto o primeiro que eu pego por aí…
  9. Trate de ser você mesmo e ter um estilo pessoal. Por muito forte que seja, nosso estilo casual é aquele com que nos sintamos à vontade. De nada adianta vestir-nos conforme nos diz a revista Mens Health se depois não sabemos vestir camisa, nos incomoda um lenço no nosso pescoço ou se acho que o amarelo é uma cor muito chamativa. A ver se aprende e podemos ir pegando ideias, mas a finalidade é criar e definir um estilo que nos defina. Ir testando, experimentando e saí para rua: esse, sem dúvida, é o nosso melhor verificador se nos sentimos bem.